Blog – expoLAB

Ser diretor de cinema é fazer uma boa pré-produção

“A função do diretor é elaborar a sequência de planos a partir do roteiro. O trabalho no set de filmagem não é nada. No set de filmagem só se precisa ficar acordado, seguir o planejamento, ajudar os atores a serem simples e manter o senso de humor. O filme é dirigido ao se elaborar a sequência de planos. O trabalho no set de filmagem é simplesmente o de registrar o que foi escolhido para ser registrado. É o planejamento que faz o filme”.

O texto acima está na contracapa do livro “Sobre Direção de Cinema”, escrito pelo roteirista edramaturgo David Mamet. Será que, num set de filmagem, as coisas funcionam assim mesmo? Guardados os devidos exageros do escritor, a resposta é sim: a pré-produção – momento onde o planejamento é realizado – é onde o filme é realmente concebido. Pode ser que nem tudo dê certo nos momentos de gravar/editar, mas a base é feita na hora de pensar o roteiro e o objetivo que cada personagem/plano/cena/sequência tem na produção. Vamos falar um pouco sobre isso usando o citado livro como referência.

O capítulo dois da obra de Mamet chama-se “Onde você Põe a Câmera?”. Trata-se da transcrição de uma aula, totalmente baseada em diálogos, que o autor ministrou no curso de cinema da Universidade de Columbia, Estados Unidos. Nela, ele propôs aos seus ouvintes que elaborassem, junto a ele, uma cena e como ela seria contada através de imagens. O enredo era o seguinte: a história de um estudante que queria impressionar seu instrutor numa reunião. Como fazer isso através de planos de imagens? Que enquadramentos usar? A conversa que se segue entre Mamet e seus ouvintes é um belo exemplo de como se pode pensar o cinema – e que não é uma tarefa exatamente fácil.

O ponto primordial da aula de Mamet é: o que o protagonista quer? A partir das respostas a história avança, e o espectador se mantém entretido – esse é o segredo do cinema. Quem está assistindo a um filme precisa se mantar curioso sobre o que está acontecendo em cena e o que vai acontecer para os objetivos serem alcançados. Mas como mostrar que alguém quer demonstrar respeito em imagens? Respeito é algo abstrato!

As ideias dos alunos de Mamet começam a surgir. Por exemplo: para impressionar o instrutor, o protagonista da história chega vinte minutos antes na aula. Mas como mostrar isso em imagens? Fazendo um plano no relógio de parede? Mostrando que o discente está sozinho na sala? Isso quer dizer respeito pelo instrutor?

David Mamet. Foto: Custom House

Mamet vai organizando as ideias, fazendo observações. Para o autor, é importante que “a plateia se pergunte o que está acontecendo colocando-a na mesma posição do protagonista”. E o filme vai sendo construído, em conjunto, por todos os diretores da sala. Escolhendo os planos e, principalmente, justificando as escolhas dentro do contexto do filme imaginário. O que não era importa vai sendo jogado fora…

Após o processo contado, que não terá mais spoilers aqui, fica claro que a contracapa do livro tem sua razão: a cena proposta para ser trabalhada na aula vai ficando pronta aos poucos, sem uma câmera, editores, eletricistas, captação de áudio, diretor de fotografia… O filme está lá, plano a plano, mas ainda no papel. Isso quer dizer que: esforce-se na pré-produção. Pense qual é o objetivo da cena. Imagine cada plano e o que ele quer mostrar para que o objetivo do protagonista seja alcançado. Afinal, filmes são sobre isso: uma pessoa querendo alcançar um objetivo (e outras querendo atrapalhar…). Assim, o sono do diretor no set de filmagem estará garantido 🙂

 

CURSOS E PROMOÇÕES EXPOLAB

Saiba de nossas próximas turmas: http://www.expolab.com.br/agenda

Conheça todas as áreas que atuamos: http://www.expolab.com.br/areas_cursos

Vagas de emprego e estágio: http://www.expolab.com.br/vagas

Alfredo Galamba