Blog – expoLAB

A boa propaganda

Característica desejável mas não obrigatória. Porém, hoje em dia, no mundo contemporâneo, sabemos que quase 100% das peças publicitárias eficientes são originais. Fazer uma abordagem baseada na mesmice é garantia certa que você vai ter um resultado pior do que deveria ter. Originalidade significa ser inovador, ser único mas não necessariamente ser viajado. Podemos inovar na maneira que usamos o meio, no formato, na linguagem, podemos utilizar um mesmo elemento que já utilizavam de uma outra forma original.

A adequação na mídia do público: temos que ser oportunos. A publicidade é invasiva. Ela se mostra, aliás, não se mostra, se exibe, se esfrega pra podermos vê-la. Invade espaços públicos. Tem que ser adequado na forma de falar. Não pode gerar antipatia. Eficiência da propaganda.

Guardou, ficou na mente. Continuar lembrando da peça e daquele sentido mesmo depois que se passe. Não só impacto como transcender o normal. Manter a informação guardada. Não é porque causa impacto que é bom. Paradoxo: tem que tá os dois juntos. Causa impacto? Funcionou?

Convencer daquele sentido tipo sedutor. Ser crível. A persuasação depende diretamente daqueles conceitos da verdade, especificamente, da verossimilhança. Se promete algo que não se acredita, não adianta nada. Questão extremamente importante: ter motivação. Publicidade não tem a ver com produtos e marcas.

Ao lidar com pessoas, a mensagem publicitária se adequa à necessidades/desejos de pessoas (interesses). Propaganda é gente. Ninguém se relaciona com objetos. Nós nos relacionamos com a brincadeira. Entende de pessoas. Gosta de gente.

A boa propaganda ruim é aquela que só tem impacto, massageia o ego. Mídias são grandes propagandas que se veem por aí: cumprem o resultado mas daí a resolver… A boa propaganda não atende a um e a outro; atende aos dois. Todos ficam satisfeitos. Ela é crível e rara porque ela exige um esforço muito maior para ser feito. Dá muito mais trabalho fazer com que essas duas coisas dialoguem.

Os anunciantes deveriam ter pela boa propaganda a mesma obsessão que o Tom tem pelo Jerry. Propaganda é estratégia, é uma arma para poder atingir o mercado. Publicidade boa é o investimento mais importante que alguém possa fazer na comunicação porque ela é extremamente persistente. Ela tem motivação humana.

Kamila Crispina

Kamila Crispina

Caruaruense formada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade & Propaganda pela Universidade Católica de Pernambuco. Residente em Recife há 4 anos, dedica-se a estudos sobre consultoria de negócios, empreendedorismo e redação publicitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *