Blog – expoLAB

Público-alvo e Persona: dois métodos, um objetivo

Os resultados de uma estratégia de marketing dependem da criação de um bom conteúdo, que seja pensado e criado especialmente para as pessoas que têm mais chance de interagir com a marca do cliente e fechar negócio. Devemos saber com quem falamos, quem pode se interessar pelo produto ou serviço oferecido, segmentar essas pessoas e dialogar com elas. 

O público-alvo e a persona são conceitos, técnicas criadas para auxiliar profissionais de marketing a determinar são, como pensam e agem os possíveis fregueses do cliente. Assim, os responsáveis pela criação do conteúdo dos anúncios têm como nortear o seu trabalho, direcionando a mensagem para as pessoas certas em cada etapa da jornada de compra.

Público-alvo

Também chamado de Target, o público-alvo é uma forma de determinar uma parcela segmentada da sociedade que se acredita incluir os clientes (do passado, presente e em potencial) através da montagem de um perfil das pessoas que interagem com a marca. 

A definição do público alvo inclui características como estado civil, gênero, hábitos de compra, idade e profissão. 

Para determinar o público-alvo, convém responder a algumas perguntas sobre o produto e os consumidores em questão, como, por exemplo, qual é a idade, localização geográfica, gênero, faixa de renda, escolaridade e estado civil dos consumidores. Veja um exemplo de modelo de público-alvo imaginando uma barbearia:

Público de homens dos 25 aos 60 anos, moradores da cidade onde se localiza a empresa, que gostam de cuidar da própria aparência e têm renda de aproximadamente R$ 2 mil a R$ 5 mil por mês.

 

Persona

A buyer persona, ou simplesmente persona, também é uma maneira de entender quem é o público para criar conteúdos melhores e mais bem direcionados para ele. No entanto, diferentemente do público-alvo, no lugar de dar características a um grupo de pessoas que têm potencial de compra, a persona traça um perfil detalhado e semi-fictício de um comprador ideal. 

Dando um nome, pensando nas características já elencadas no público-alvo e também indo além para considerar a dor do cliente, seus sonhos, metas, desafios, obstáculos, hábitos e canais de informação e outros dados, a persona humaniza a imagem dos compradores em potencial, ajudando assim a entender como eles pensam, o que querem e que tipo de estratégia pode trazer melhores resultados. 

Por exemplo, imagine uma marca de cosméticos que tem, entre suas personas (dependendo da estratégia, pode-se trabalhar com mais de uma), uma mulher chamada Ana, com 30 anos de idade, um filho, renda mensal de 7 mil reais, vaidosa, que tem como objetivo manter uma aparência jovial e elegante. Por essa razão, Ana pesquisa sobre produtos de beleza na internet utilizando ferramentas de busca, acompanha influenciadores digitais desse segmento no Youtube e Instagram, além de seguir suas marcas e lojas prediletas nas redes sociais em busca de ofertas. 

É bom destacar que tanto o público-alvo como a buyer persona não devem ser definidos por achismo ou ao acaso. Quem já tem clientes pode realizar entrevistas com eles para obter informações que lhe permitam conhecer as pessoas com quem as campanhas devem dialogar. No caso de um negócio que está em fase inicial, o ideal é realizar pesquisas.

Imagem do Pixabay (https://pixabay.com/pt/images/download/target-group-3460039_1920.jpg?attachment&modal)

 

CURSOS E PROMOÇÕES EXPOLAB

Saiba de nossas próximas turmas: http://www.expolab.com.br/agenda

Conheça todas as áreas que atuamos: http://www.expolab.com.br/areas_cursos

Vagas de emprego e estágio: http://www.expolab.com.br/vagas

Lara Tôrres

Lara Tôrres

Jornalista formada pela Universidade Federal de Pernambuco em 2019 com atuação em assessoria de imprensa, reportagem e curso de Marketing Digital pela ExpoLAB